VOLTAR PARA O SITE >>>

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

À beira do poço de Jacó


Primeiro se conectar com a Fonte de meu desejo.

Sentir donde nasce esta busca, certo caminho, certa vontade de.

Permanecer no aberto deste desejo, desta fonte que não cessa de jorrar, é aceitar somente o infinito como objeto deste desejo e ter a consciência de que qualquer outro objeto é passageiro, é perecível.

Podemos lembrar aqui da Samaritana em seu encontro com Jesus ao lado do poço de Jacó.

Nela, neste encontro, é desvelado este amor, esta sede insaciável, este verbo intransitivo que dispensa objetos para ser, amar.

E Jesus oferece aquilo que somente pode apaziguar este desejo, a fonte onde jorra água viva. A fonte da qual se bebermos a água seremos saciados. Porque seremos esta própria fonte. Esta água nos faz fontes.

Foi Jesus quem disse: “Quem beber da água que darei, nunca mais terá sede, a água que lhe darei tornar-se-á nele uma fonte, jorro de vida eterna” (Evangelho de João 4, 1-29).


Um bom final de semana a todos.

Com um abraço caloroso.

Daniel M. Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário